Quarta-feira, 4 de Julho de 2007

Devo ser a sorte dos homens...

Com este titulo, o mais provavel é que estejam a pensar que eu comecei a abafar palhinhas, a mexer na manete das mudanças, a pegar de empurrão ou que comecei, pura e simplesmente, a levar no bujão. Desenganem-se. Para felixidade minha, e infelicidade de uma mão cheia de gajos que me queriam possuir, eu ainda não troquei de equipa e nem tenho a minima intenção de muda. O que me levou a escrever este título, para além dos dedos e esta cabecinha maluca que os meus pais me deram, foi o facto de me começar a aperceber que as mulheres (as poucas mulheres) que estiveram comigo, começaram a ser muito mais felizes depois.

Isto parece estupido, mas é a verdade.

Houve uma altura, na minha vida, que penso que acontece na vida de qualquer homem, que eu metia a pilinha, ou tentava meter a pilinha, em qualquer buraquinho de menina. Tive a felicidade de nunca ter que recorrer aos buraquinhos dos meninos, felizmente. Durante esse tempo, em que a minha avó, amavelmente dizia que eu era um porquinho da furna, porque fuçava em tudo que era rapariga, tive o privilégio de conhecer muita gente e de privar com algumas pessoas.

Posso adiantar, que foi durante esse espaço de tempo, que andei em meio menos próprios do "sexo". Não recorri a prostituição, porque nunca necessitei, nunca me prostitui, porque também nunca necessitei, mas andava nuns ambientes menos próprios para a maioria das pessoas. Em ambientes de orgias, bacanais e coisas do género. Mas isso nao interessa nada para este caso.

No outro dia, quando fiz uma restrospectiva a minha vida, reparei que todas a mulheres que comigo tinham estado (e englobo em mulheres, todas as raparigas, adolescentes, mulheres e velhotas, já que isto começou knd eu tnh 13 anos e terminou mais ou menos aos 20), reparei que elas, depois de me deixarem tinham encontrado a felicidade.

Claro que poderá haver uma ou outra que esteja neste momento a dizer que sou um mentiroso, que estou a mentir. Não estou, porque tou a falar da maioria e nao da totalidade. Há sempre uma excepção para confirmar a regra, e num universo, que sem ser para me gabar, poderá rondar as 20 e qualquer coisa mulheres (que comparado com a maioria dos homens não é nada), a maioria conseguiu a tal "felicidade" de que falo.

As minhas amigas solteiras, que na altura nao tinham namorado, passado uns dias começaram a namorar e a maior parte agora está casada ou em vias de se casarem ou juntarem.

Algumas mulheres casadas, começaram a recompor as suas vidas com os maridos e agora estão ao lado deles. Neste caso, houve uma situação "engraçada". Uma senhora que tinha uma acção a correr em tribunal, para se divorciar do marido, retirou a acção e neste momento estão felizes e quando passo por eles na rua fico contente por ela.

As divorciadas e viuvas, acabaram por arranjar alguém e agora ou namoriscam só com essa pessoa ou então chegaram a juntar-se ou mesmo a casar com ele.

O que mais me faz sorrir, é quando passo por essas mulheres na rua e me cumprimenta sorrateiramente sem dar nas vistas, porque a maioria delas contou aos agora companheiros que tinham tido uma aventura comigo. Claro que as casadas não contaram nada. Há depois aquelas que nem me falam, para elas sou invisivel e já nem para mim olham. Resta-me a ideia de que as fiz feliz por breves momentos, numa determinada altura.

Isto é o que eu quero pensar, porque depois começo a matutar e começo a perceber que afinal para elas não foi assim tão bom. Para elas, se calhar, chegou a roçar o mau, e depois aperceberam-se que, as casadas, tinham em casa a "mina de ouro" e nao precisavam de andar por fora a procura de outra, e as não casadas, que aquele outro amigo com quem podiam até estar era uma "mina de ouro" melhor.

Se calhar por isto é que eu sou a sorte dos homens. Se calhar eles até podem ser maus na cama (que bem sei que não é tudo, mas que ajuda muito), mas, eu com a minha lábia até lhes posso ter dado a volta, mas as suas mulheres perceberam que era um erro, que não era comigo que queriam estar, que eu não era suficientemente bom, e então voltaram para eles.

Agora começo a perceber porque me acontece as pessoas depois de umas noites fugirem de mim, afastarem-se. Se calhar não é por eu ser má pessoa, que acho que não sou, mas se calhar é porque não tem coragem de admitir que eu sou mau na cama, e como tal é mais facil afastarem-se e desaparecerem.

Peço um favor a quem tiver a ler isto, se tiverem o numero do Zeze Camarinhas, por favor mandem-mo, porque eu preciso de umas aulas urgentemente.

E já agora para os homens que tiverem com problemas com as suas mulheres e não as quiserem perder, podem tambem manda-las, que depois elas voltam de certeza e nunca mais vos abandonam.

Para aqueles que quiserem acabar com a mulher é facil, comecem a ter aulas comigo, aprendam a arte de ser mau na cama, e depois vão ver que elas próprias vão embora com a desculpa que já não é a mesma coisa, que já não há clima, e voces safam-se delas e nem ficam mal vistos porque foram elas a acabar.

 

Beijinhos e abraços e muitos palhaços

sinto-me:

publicado por sensei às 13:37
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Devo ser a sorte dos home...

.arquivos

. Agosto 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

letras de canciones
SAPO Blogs

.subscrever feeds